Acupuntura com Dr. Bruno Campos de Andrade

Dom, 18 de Ago de 2019

Dr. Bruno Campos de Andrade - Embu Guaçu
Fisioterapeuta, Acupunturista e Quiropraxista.

Vamos falar sobre o tratamento através da Acupuntura?
Antes de começar a falar sobre a prática de acupuntura vou contar a vocês um pouco da história dessa milenar arte de inserir agulhas. A Acupuntura é o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos da medicina tradicional chinesa que visa à terapia e à cura das doenças através da aplicação de agulhas e de moxas, além de outras técnicas. Esta ciência surgiu na China em plena Idade da Pedra, isto é, há aproximadamente 4.500 anos. No entanto, apesar de sua antigüidade, continua
evoluindo. Com o moderno avanço tecnológico, outros instrumentos e técnicas como o ultra-som, as radiações infravermelhas, o raio laser e outros equipamentos vieram enriquecer seus recursos fisioterápicos.
Conceito básico sobre o funcionamento do corpo humano.
O corpo humano é formado da união de células que dão origem aos tecidos ou órgãos; estes se associam entre si e colaboram para preservar as funções de locomoção, digestão, defesa, respiração etc. As conexões entre os diversos sistemas fazem-se, de modo geral, pelo sistema nervoso, cujo centro é o cérebro, que controla e regula todas as funções. Assim, o organismo responde como um todo às alterações do meio. Por exemplo, no calor, há vasodilatação, com aumento da sudorese na tentativa de diminuir a temperatura corpórea. No frio, ocorre o contrário, com vasoconstrição e economia do calor corporal. Se o frio é excessivo, verificam se tremores, que se destinam a gerar mais calor e a manter a homestermia e as funções celulares normais. Se a função do sistema nervoso é adequada, ela preserva a adaptação e a saúde do organismo. Se o organismo sofre alguma lesão, o sistema nervoso pode responder, atuando em vários níveis para contê-la. Por exemplo, se há invasão bacteriana com liberação de toxinas, o sistema nervoso, para prover, meios de eliminar as bactérias e suas toxinas, reage com hipertermias, leucocitose, aumento da secreção de muco, tosse, náuseas, vômito.

Qual a ação da Acupuntura em nosso organismo?

A Acupuntura altera a circulação sangüínea. A partir da estimulação de certos pontos, pode-se alterar a dinâmica da circulação regional proveniente de microdilatações. Outros pontos promovem o relaxamento muscular, sanando o espasmo, diminuindo a inflamação e a dor. O estímulo de certos pontos promove a liberação de hormônios, como o cortisol e as endorfinas, promovendo a analgesia. A acupuntura ajuda a aumentar a resistência do hospedeiro. Quando há agressão externa, alguns sistemas orgânicos são prejudicados. Há também uma regulação
interna para oferecer resistência à doença. A acupuntura exacerba estes mecanismos para que em menos tempo o equilíbrio e a saúde sejam restabelecidos. Muitas pesquisas revelam ser possível o estímulo do hipotálamo, da hipófise e de outras glândulas que atuam na recuperação. A acupuntura regula e normaliza as funções orgânicas. As diversas funções no homem são inter-relacionadas. Se há algum distúrbio alterando esse interrelacionamento, ocorre a manifestação de sintomas e a doença se estabelece. O estímulo pela Acupuntura pode dinamizar e restabelecer os relacionamentos anteriores e apressar a recuperação. A acupuntura promove o metabolismo. O metabolismo é fundamental na manutenção da vida. Em certas condições de doença, há alteração do metabolismo dos diversos órgãos, com conseqüente prostração e deficiência do
organismo. A acupuntura permite a recuperação desse metabolismo, importante no processo de cura.

Qual a segurança em realizar esse tratamento?

A Acupuntura é uma prática extremamente segura, exigindo apenas uma
eficiente esterilização das agulhas e um bom nível técnico do terapeuta.
Como é feito o diagnóstico em Acupuntura?
Muitas doenças são difíceis de diagnosticar. A sensação proveniente da aplicação das agulhas pode denotar alterações neurológicas. A localização do processo patológico pode também ser indicada pela resposta à estimulação de determinados pontos, o que auxilia o diagnóstico. Além do mais, se a doença é funcional, a Acupuntura, via de regra, traz melhoras evidentes, o que não ocorre se já houve lesão orgânica; neste caso ela serve como prova terapêutica.

Diminuição do uso de medicamentos.

Atualmente, o uso de drogas está se tornando abusivo, com freqüentes intoxicações, sem que se consigam resultados terapêuticos ideais. A Acupuntura regula o equilíbrio do organismo, melhorando a circulação sangüínea, aumentando a resistência corpórea e sendo capaz de mudar a constituição corporal; por isso, reduz ao mínimo a necessidade de drogas e aumenta a eficácia terapêutica. Além disso, constitui-se num tratamento mais econômico em relação ao tradicional método da alopatia.
Quais as doenças que a Acupuntura pode tratar?
As doenças mais comuns apresentadas aos acupunturistas são aquelas que se relacionam com alguma dor, por exemplo, artrite, dores nas costas, no pescoço, nos joelhos, nos ombros, tendinite e ciática. A Medicina Tradicional Chinesa é um sistema de prevenção e tratamento completo, capaz de diagnosticar e tratar com sucesso uma grande variedade de problemas, dentre eles:
Sinusite, Zumbido nos ouvidos, Tonturas, Pressão alta, Dependência química, Problemas emocionais e psicológicos, Ansiedade, Insônia, Depressão, Estresse, Afecções musculoesqueléticas e distúrbios neurológicos, Artrite, Nevralgia, Ciática, Dores nas costas, Bursite, Tendinite, Torcicolo, Nevralgia
Dores de cabeça e enxaqueca, Derrame, Paralisia cerebral, Espasmos musculares, Bronquite e entre outras.
A Acupuntura é também frequentemente usada como uma medicina preventiva. Muitas pessoas vêem seu acupunturista de duas a quatro vezes ao ano, para uma espécie de "sintonia" ou "balanceamento" do corpo. Isso pode prevenir doenças e promover a saúde, energia e vitalidade. Procure sempre um profissional especializado.


Fonte: Revisão literaria do livro Acupuntura clássica Chinesa. Dr. Tom Sintan Wen.
Por: Dr. Bruno Campos de Andrade Acupunturista pela Associação Brasileira Científica de Fisioterapia, aluno do Prof. Dr. Alexander Raspa da Silva, Presidente da ABRACIF.